Cartões de Natal Vitorianos

Artigo

Mark Cartwright
por , traduzido por Joana Mota
publicado em 06 Dezembro 2022
Disponível noutras línguas: Inglês, Árabe, francês, espanhol
X

Os cartões de Natal impressos tornaram-se populares no período Vitoriano (1837-1901) graças a uma combinação de técnicas de impressão e envio ainda mais baratos, com a chegada do selo postal Penny Black. A chegar em todas as formas, tamanhos e materiais, os cartões de Natal foram enviados aos milhões para todos os cantos do Império Britânico. Os ilustradores vitorianos criaram toda uma mitologia de como imaginamos que um Natal Europeu deveria ser com as suas cenas agora clássicas de árvores de Natal repletas de presentes, azevinho, piscos, trenós e pistas de campo cobertas de neve. Quando sonhamos com um Natal branco, são os cartões festivos do século XIX que são em grande parte responsáveis por essas imagens persistentes.

19th-Century Christmas Card
Cartão de Natal do século XIX
Victoria and Albert Museum, London (CC BY-NC-SA)

Origem

É claro que os adultos têm escrito cartas uns aos outros durante séculos. Mesmo antes de haver um sistema oficial de correios públicos, as cartas eram entregues pessoalmente, por criados e através de carruagens de transporte. Havia também impressões feitas a partir do século XV, usando xilogravuras ou técnicas de impressão em placas de cobre, especialmente para calendários. No entanto, foi no período Vitoriano que vários fatores conspiraram para tornar os cartões de Natal impressos neste fenómeno extremamente popular em que se tornaram.

Remover publicidades
Advertisement
FONTES DE INSPIRAÇÃO PARA O CARTÃO DE NATAL DECORATIVO PODEM TER SIDO PAUTAS DE MÚSICA IMPRESSAS & CARTÕES DE VISITA ORNAMENTADOS.

Os historiadores Antony e Peter Miall sugerem em O Livro de Natal Vitoriano que as origens dos cartões para a época festiva residem na sala de aula. A partir do século XVIII, os mestres tiveram os seus alunos a trabalhar numa "Peça de Natal" no mês de dezembro. Este trabalho envolveu alunos que selecionaram uma folha de papel fino e produziram uma amostra da sua escrita, principalmente para mostrar aos pais evidência do seu progresso académico naquele ano. Muitas vezes, o papel vinha com uma borda gravada decorada e, no século XIX, era popular os alunos desenharem as suas próprias bordas decorativas usando tinta colorida. "Estas ofertas foram os precursores do grande cartão de Natal vitoriano" (Miall, 37).

Outras fontes de inspiração para o cartão de Natal decorativo podem ter sido pautas de música impressas com bordas e capas decorativas, gravuras encomendadas para marcar aniversários importantes, cartões de recompensa escolar para alunos trabalhadores, papel de carta ilustrado e as variedades mais ornamentadas de cartões de visita que se deixavam quando se chamava alguém e eles não estavam em casa.

Remover publicidades
Advertisement

The First Printed Christmas Card
O Primeiro Cartão de Natal Impresso
Victoria and Albert Museum, London (CC BY-NC-SA)

O Primeiro Cartão de Natal

Sir Henry Cole (1808-1882) foi um funcionário público que, em 1840, reformou o sistema postal britânico, ao ajudar a criar o Universal Penny Post, onde os remetentes usavam os agora famosos selos postais Penny Black. Mais tarde, Cole tornou-se o primeiro diretor do Museu Vitória e Alberto em Londres. Em 1843, Cole teve uma ideia brilhante. Não só ele poderia salvar-se de escrever diferentes cartas individualizadas para os seus amigos e familiares no Natal, mas também poderia iluminar a temporada com um cartão colorido impresso com o expresso propósito de enviar os seus elogios da temporada. Assim, Cole encomendou a John Callcott Horsley (1817-1903), um artista e ilustrador que era membro da Academia Real, a produção do primeiro cartão de Natal impresso.

OS PRIMEIROS CARTÕES FORAM VENDIDOS AO PÚBLICO A UM PREÇO BASTANTE ALTO DE UM XELIM POR CARTÃO.

O design de Horsley para o cartão, que era do tamanho de um cartão de visita comum (2 x 3 polegadas ou 5 x 7,5 cm), mostrava diferentes gerações da família Horsley a fazer um brinde – presumivelmente ao amigo ausente que é o destinatário do cartão – enquanto ladeado de cenas que mostravam atos de caridade, então, como agora, um elemento importante da temporada de Natal. À esquerda havia pessoas que davam comida aos necessitados, e à direita, davam roupa. Havia uma borda de uma moldura de madeira entrelaçada com hera, e abaixo da imagem principal a saudação de "Um Feliz Natal e um Feliz Ano Novo para Ti". Havia um espaço ao longo da parte superior e inferior do cartão deixado em branco para se escrever uma mensagem curta à mão e personalizada para o destinatário. Mil cartões foram impressos e depois coloridos à mão. Os cartões foram vendidos ao público a um preço bastante alto de um xelim por cartão. Talvez sem surprese para uma ideia nova e relativamente cara, havia poucos compradores.

Remover publicidades
Advertisement

Edgley Christmas Card
Cartão de Natal Edgley
The British Museum (CC BY-NC-SA)

A Ideia Ganha Popularidade

Felizmente para o futuro dos cartões de Natal, a família real estava entusiasmada com todas as coisas natalícias. Em particular, o príncipe Alberto (1819-1861) trouxe tradições de Natal alemãs para a Inglaterra, como a árvore de Natal. No entanto, foram os membros mais jovens da família real que adotaram a ideia de enviar uns aos outros cartões feitos à mão, tanto no Natal como no Ano Novo. A Rainha Vitória deve ter aprovado, uma vez que mais tarde iniciou a tendência de figuras públicas enviarem cartões de Natal "oficiais", que mostravam frequentemente a si mesma e à sua família num ambiente festivo.

Assim, em 1844, houve outra tentativa de comercializar o cartão de Natal, e foi muito mais bem sucedida. O Sr. W. C. T. Dobson vendeu um cartão impresso que trazia uma ilustração do "Espírito do Natal". Em 1848, um cartão impresso por William Maw Edgley (1826-1916) repetiu o tema do cartão de Cole, mas acrescentou cenas alegres e azevinho às imagens. Agora as gráficas sabiam que estavam numa coisa boa, e tornaram-se cada vez mais ambiciosas com os designs dos seus cartões que estavam disponíveis para compra em papelarias e livrarias. A partir de 1879, em vez de cartões individuais caros, as pessoas podiam comprar pacotes baratos de cartões nas tabacarias e lojas de brinquedos, muitas vezes importados da Alemanha. Este desenvolvimento andou de mãos dadas com o novo selo postal de meio centavo para cartões postais, e a partir daí as pessoas de todas as classes podiam enviar cartões de Natal para os seus entes queridos.

Victorian Christmas Card
Cartão de Natal Vitoriano
Minnesota Historical Society (CC BY-SA)

Designs de Cartões de Natal Vitorianos

Os primeiros cartões foram impressos em pequenas folhas de cartão, mas logo progrediram para surgir em todas as formas e tamanhos. Os cartões de Natal vitorianos eram tipicamente litografados e coloridos à mão antes de predominar a impressão a cores. Muitos usavam papel estampado, às vezes com partes recortadas para se assemelhar a rendas, particularmente para as margens. Havia até cartas decoradas com fitas, borlas, renda real, ouropel e vidro colorido. Cetim, seda e brocado também eram materiais populares para melhorar a sensação do cartão. Os cartões mais exóticos eram perfumados, tinham adições acolchoadas e incorporavam flores prensadas. Um cartão à venda ostentava que era feito de nada menos que 750 peças separadas. Se alguma criação refletia o amor Vitoriano de acumular materiais bonitos individuais para criar um artigo acabado ainda mais bonito, era o cartão de Natal. Com tantos materiais possíveis a ser usados num único cartão, não é de admirar que as lojas de tecidos os incluíssem no seu stock de Natal.

Remover publicidades
Advertisement
OS ILUSTRADORES VITORIANOS FORAM EM GRANDE PARTE RESPONSÁVEIS PELO QUE HOJE IMAGINAMOS COMO UMA "CENA DE NATAL" CLÁSSICA.

Havia uma grande variedade na forma de cartas, também, com o mais popular variando da forma retangular clássica para oval, circular, diamante, crescente e em forma de sino. Algumas cartas foram dobradas, outras transformadas em forma de leque, ou refletiam o objeto que ilustravam, como uma caixa postal ou bolsa. Os cartões podiam incluir partes móveis ou abas que podiam ser abertas para revelar uma cena ou mensagem adicional. Alguns tinham abas que, quando puxadas, moviam as pernas e os braços de um personagem na frente do cartão ou tinham um disco que poderia ser girado para mostrar diferentes cenas numa janela central.

Havia todos os tipos de assuntos retratados nas cartas, muitos dos quais incluíam desenhos animados humorísticos e a vida quotidiana, às vezes nem eram sequer relacionados com o Natal. Temas religiosos permaneceram populares, como anjos e cenas da Natividade, mas houve uma mudança definitiva para assuntos mais seculares à medida que a era Vitoriana progrediu. Os ilustradores vitorianos não estavam sem humor ou medo de arriscar, nem perderam a oportunidade de enganar o espetador com muitas cartas que mostravam duas cenas, dependendo da direção em que a carta era mantida.

Two 1899 Christmas Cards
Dois Cartões de Natal de 1899
The British Museum (CC BY-NC-SA)

Os ilustradores vitorianos foram em grande parte responsáveis pelo que hoje imaginamos como uma "cena de Natal" clássica: igrejas velhas e caminhos campestres na neve, passeios de trenó, piscos, azevinho brilhante e visco, e presentes sobre ou sob a árvore de Natal. As populares cenas de neve nos cartões de Natal vitorianos refletiram uma série de invernos rigorosos na Inglaterra durante as décadas de 1830 e 1840. Os natais brancos tornaram-se muito mais raros depois disso, mas a cena na imaginação das pessoas já estava definida. Da mesma forma, a comida de Natal que imaginamos ser comida por personagens Dickensianos no século XIX é, como nos cartões, sempre perus assados dourados e grandes pudins de Natal fumegantes do tamanho de bolas de canhão.

Remover publicidades
Advertisement

O Pai Natal era uma figura popular nas cartas, mas ele evoluiu ao longo das décadas, a sua aparência transformou-se de um personagem Falstaffiano para um velho alegre com calças azuis e uma coroa de azevinho e, finalmente, o seu fato vermelho definitivo com acabamento de pelo branco. O modo de transporte do Pai Natal também evoluiu para acompanhar os tempos, o Pai Natal Vitoriano usou todos os meios que pôde para alcançar as chaminés das pessoas, como a popular bicicleta da década de 1880, o novo automóvel da década de 1890, a rede ferroviária moderna em constante crescimento ou até mesmo um balão de ar quente.

Soldier Christmas Card, 1887
Cartão de Natal com Soldado, 1887
Victoria and Albert Museum, London (CC BY-NC-SA)

Os cartões de Natal tornaram-se uma parte tão importante da temporada que atraíam os melhores artistas para ilustrá-los, nomes como Linnie Watts, que produziu uma série de cartões que mostravam crianças, e Harry Payne, que desenhou soldados, um tema pungente para aqueles com entes queridos que serviam longe de casa nas forças armadas do Império Britânico.

Os cartões mudaram com o tempo, à medida que os gostos mudaram. Por exemplo, fundos negros para tornar o quadro principal mais marcante eram populares na década de 1870. Os cartões também refletiam tendências modernas na arte. No final do século, surgiram desenhos art nouveau, com desenhos altamente decorativos e temas inspirados nas obras de artistas da moda como Alphonse Mucha (1860-1939). Com os cartões a ser enviados por todo o mundo, a tradição enraizou-se rapidamente noutros países, particularmente nos Estados Unidos a partir de 1874, com os cartões impressos por Louis Prang (1824-1909), popularmente conhecido como "o pai dos cartões de Natal Americanos".

Textos dos Cartões de Natal

Na frente, dentro ou no verso do cartão, o texto impresso também se tornou mais variado ao longo dos anos, e abaixo estão alguns exemplos do século XIX:

Amor e Paz contigo permaneçam

Através da santa noite de Natal!

Que seja muito feliz

a época de Natal para ti e para ti.

Vivemos em obras

em pensamentos não respirações

não em anos

em sentimentos não em figuras

num mostrador.

Que o Natal te traga paz e abundância,

Que celeiros e adegas nunca estejam vazios.

Um chifre de cerveja sã e honesta,

Vai aquecer o coração, os espíritos aplaudem.

Que o teu Natal seja feliz,

Cheio de toda a alegria por ti;

E ao longo de cada ano reservado,

Que a paz esteja sempre contigo.

1898 Christmas Cards
Cartões de Natal de 1898
The British Museum (CC BY-NC-SA)

As cartas geralmente vinham com textos impressos mais longos, como poemas ou vários versos de canções populares. Um exemplo de um versículo típico dentro de um cartão de Natal Vitoriano é:

Oh, a Vida é apenas um rio;

E na nossa infância, nós

Mas um riacho que corre justamente

Adornado com flores.

Mas à medida que ficamos mais sérios,

O rio fica mais fundo;

E onde nos rimos na infância,

Nós, mais velhos, paramos para chorar.

Cada Natal que passa,

Algumas mudanças para nós traz;

No entanto, para os nossos amigos, quanto mais perto,

À medida que o Tempo se arrasta, agarramo-nos.

(Miall, 43)

Colecionar Cartões de Natal

Maravilhosamente feitos e a capturar memórias da temporada, as classes médias Vitorianas tornaram-se ávidas colecionadoras de cartões de Natal, o que explica por que se tornou comum ter o ano impresso em algum lugar do cartão. Talvez o colecionador de cartões mais famoso tenha sido George Buday – ele até escreveu um livro célebre sobre a história dos cartões de Natal, o seu A História do Cartão de Natal – e doou a sua coleção de mais de 3.000 cartões ao Museu Vitória e Alberto. Hoje, este museu tem mais de 15.000 cartões de Natal nos seus arquivos e a cada Natal reimprime desenhos vitorianos antigos para que eles possam, mais uma vez, assim como em dias de outrora, levar os desejos de Natal das pessoas por toda a parte.

Remover publicidades
Publicidade

Perguntas e respostas

Qual era o aspeto de um cartão de Natal Vitoriano?

Os cartões de Natal Vitorianos vinham em várias formas e desenhos. Cenas religiosas eram menos populares do que aquelas que mostravam cenas de neve, piscos, azevinho, banquetes e troca de presentes. Muitos cartões Vitorianos usavam uma junção de materiais como fitas e papel perfurado.

O que mostrava o primeiro cartão de Natal Vitoriano?

O primeiro cartão de Natal Vitoriano, feito a pedido de Henry Cole em 1843, mostrava diferentes gerações da família de Cole a brindar e dois atos de caridade para com os pobres.

Porque é que os Vitorianos mandavam cartões de Natal?

Os Vitorianos eram capazes de mandar cartões de Natal uns aos outros graças aos cartões impressos baratos estarem disponíveis pela primeira vez em combinação com a introdução do selo penny em 1840.

Bibliografia

A World History Encyclopedia é um associado da Amazon e recebe uma comissão sobre as compras de livros elegíveis.

Sobre o tradutor

Joana Mota
Sou portuguesa e, atualmente, vivo no meu país. Sou farmacêutica, biomédica e tradutora freelance. Adoro viajar, conhecer pessoas novas e melhorar o meu conhecimento sobre diferentes culturas.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é autor, pesquisador, historiador e editor em tempo integral. Seus principais interesses incluem arte, arquitetura e descobrir as ideias que todas as civilizações compartilham. Ele possui mestrado em Filosofia Política e é diretor editorial da WHE.

Citar este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2022, Dezembro 06). Cartões de Natal Vitorianos [Victorian Christmas Cards]. (J. Mota, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2125/cartoes-de-natal-vitorianos/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Cartões de Natal Vitorianos." Traduzido por Joana Mota. World History Encyclopedia. Última modificação Dezembro 06, 2022. https://www.worldhistory.org/trans/pt/2-2125/cartoes-de-natal-vitorianos/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Cartões de Natal Vitorianos." Traduzido por Joana Mota. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 06 Dez 2022. Web. 23 Mai 2024.