Porta de Ishtar

Definição

Brittany Garcia
por , traduzido por Patrice Martins
publicado em 23 Agosto 2013
X
translations icon
Disponível noutras línguas: Inglês, Árabe, francês, italiano, Turco
Ishtar Gate (Artist's Impression) (by Mohawk Games, Copyright)
Porta de Ishtar (Concepção Artística)
Mohawk Games (Copyright)

A Porta de Ishtar foi construída pelo Rei da Babilônia Nabucodonosor II por volta de 575 a.C. Era o oitavo portão da cidade da Babilônia (no atual Iraque) e era a entrada principal para a cidade. O Porta de Ishtar fazia parte do plano de Nabucodonosor para embelezar a capital do seu império e durante a primeira metade do século VI a.C., ele também restaurou o templo de Marduk e construiu a famosa maravilha: os Jardins Suspensos como parte deste plano. A magnificência da Porta de Ishtar era tão bem conhecida que foi a primeira na lista inicial das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. No entanto, foi posteriormente substituída pelo Farol de Alexandria, mas alguns autores (Antipater de Sidon e Callimachus de Cirene) escreveram que as "Portas de Ishtar" e "Muros da Babilônia" ainda deveriam ser consideradas uma das maravilhas.

A Porta de Ishtar e as Divindades

A Porta de Ishtar é assim chamada, porque foi dedicada à deusa babilônica Ishtar, embora Nabucodonosor preste homenagem a outras divindades babilônicas através de várias representações animais. Os animais representados na porta são touros jovens (aurochs), leões, e dragões (sirrush). Estes animais são representações simbólicas de certas divindades: os leões são frequentemente associados a Ishtar, os touros a Adad, e os dragões a Marduk. Respectivamente, Ishtar era uma deusa da fertilidade, amor, guerra, e sexo, Adad era um deus do tempo, e Marduk era o chefe ou deus nacional da Babilônia.

Remover publicidades
Advertisement
A FRENTE DO PORTÃO ESTÁ ADORNADA COM TIJOLOS ESMALTADOS COM FILAS ALTERNADAS DE DRAGÕES E TOUROS.

Materiais e Construção

A frente da porta está adornada com tijolos esmaltados com filas alternadas de dragões e touros. Os animais são decorados com azulejos amarelos e castanhos, enquanto os tijolos que os rodeiam são azuis. Pensa-se que os azulejos azuis esmaltados são de lápis lazúli, mas existe um debate sobre esta conjectura. As portas mediam mais de 11,5 m de altura, com uma vasta antecâmara no lado sul.

Atravessando o portão encontra-se a Via Processional, que é um corredor pavimentado de tijolo com mais de meia milha de comprimento e paredes com mais de 15,2 m de altura de cada lado. As paredes são adornadas com mais de 120 leões escultóricos, flores, e azulejos esmaltados amarelos. A Via Processional foi utilizada para a celebração do Ano Novo, através da qual as estátuas das divindades desfilavam sobre o caminho pavimentado com pedras vermelhas e amarelas (filas de pedra vermelha nas camadas exteriores e uma fila amarela no meio). Cada uma destas pedras tem uma inscrição por baixo: uma pequena oração do rei Nabucodonosor ao deus principal Marduk. Foi este caminho processional que conduziu ao templo de Marduk.

Remover publicidades
Advertisement

Model of the Ishtar Gate
Modelo da Porta de Ishtar
Gryffindor (CC BY-SA)

Placa Dedicatória

Na Porta de Ishtar, há uma placa de dedicatória escrita do ponto de vista de Nabucodonosor que explica o propósito da porta e a descreve com alguns detalhes.

Nabucodonosor, rei da Babilônia, o príncipe fiel nomeado pela vontade de Marduk, o mais alto dos príncipes principes, amado de Nabu, de conselho prudente, que aprendeu a abraçar a sabedoria, que sondou o seu ser divino e reverencia a sua majestade, o incansável governador, que toma sempre a peito o culto de Esagila e Ezida e se preocupa constantemente com o bem-estar da Babilônia e Borsippa, o sábio, o humilde, o zelador de Esagila e Ezida, o filho primogênito de Nabopolassar, o Rei da Babilônia.

Ambas as entradas do portão de Imgur-Ellil e Nemetti-Ellil, após o enchimento da rua a partir da Babilónia, tinham-se tornado cada vez mais baixas.

Remover publicidades
Advertisement

Por isso, derrubei estes portões e coloquei as suas fundações no lençol de água com asfalto e tijolos e mandei-os fazer de tijolos com pedra azul sobre os quais foram retratados touros e dragões maravilhosos.

Cobri os seus telhados, colocando sobre eles cedros majestosos em comprimento. Pendurei portas de cedro adornadas com bronze em todas as aberturas das portas.

Coloquei touros selvagens e dragões ferozes nos portões e assim os adornei com um esplendor luxuoso para que as pessoas os pudessem contemplar com admiração

Remover publicidades
Advertisement

Deixei que o templo de Esiskursiskur (a mais alta casa festiva de Marduk, o Senhor dos deuses um lugar de alegria e celebração para os deuses maiores e menores) fosse construído firmemente como uma montanha no recinto da Babilônia de asfalto e tijolos queimados.

Aurochs from Ishtar gate
Touros da Porta de Ishtar
A.K. (Copyright)

Escavação e Reconstrução

A Porta de Ishtar foi escavada entre 1902 e 1914 a.C. durante o qual foram descobertos 45 pés (13,7 m) da fundação original do portão. O material escavado por Robert Koldewey foi utilizado numa reconstrução da Porta de Ishtar e da Via Processional. Em 1930, a reconstrução foi concluída no Museu Pergamon, em Berlim, Alemanha.

Devido às restrições de tamanho no Museu Pergamon, a Porta de Ishtar não está completa nem tem o seu tamanho original. O portão era originalmente um portão duplo, mas o Museu de Pergamon utiliza apenas a parte mais pequena, frontal. O segundo portão atualmente está em um depósito. Originalmente, o portão tinha uma porta e um telhado feitos de cedro e bronze, que não foi construído para a reconstrução. Uma reconstrução mais pequena do portão de Ishtar foi construída no Iraque sob Saddam Hussein como a entrada para um museu. No entanto, esta reconstrução nunca foi concluída devido à guerra.

Remover publicidades
Advertisement

Há vários museus no mundo que receberam porções da Porta de Ishtar: o Museu de Arqueologia de Istambul, o Instituto de Arte de Detroit, o Museu Real do Ontário, o Louvre, o Museu Estatal de Arte Egípcia de Munique, o Museu Metropolitano de Arte de Nova Iorque, o Instituto Oriental de Chicago, e muitos outros.

Remover publicidades
Publicidade

Bibliografia

Sobre o tradutor

Patrice Martins
Brasileira, formada em Letras - italiano, residente na Itália há mais de 15 anos, curiosa e em busca de um lugar ao sol. Acredita que conhecer a história é importante para não cometer de novo os erros do passado e seguir os modelos que deram certo.

Sobre o autor

Brittany Garcia
Brittany é escritora freelancer e professora de Latim Clássico e Grego Antigo. Ela mantém um blogue pessoal e uma página no Facebook sobre notícias do Mundo Antigo. É tradutora voluntária de latim para o Projeto Iris com o "Making Mars Speak Latin" da NASA.

Citar este trabalho

Estilo APA

Garcia, B. (2013, Agosto 23). Porta de Ishtar [Ishtar Gate]. (P. Martins, Tradutor). World History Encyclopedia. Obtido de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-272/porta-de-ishtar/

Estilo Chicago

Garcia, Brittany. "Porta de Ishtar." Traduzido por Patrice Martins. World History Encyclopedia. Última modificação Agosto 23, 2013. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-272/porta-de-ishtar/.

Estilo MLA

Garcia, Brittany. "Porta de Ishtar." Traduzido por Patrice Martins. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 23 Ago 2013. Web. 19 Abr 2024.