Basílio o Grande

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Rafael de Quadros
publicado em 12 Abril 2018
X

Texto original em inglês: Basil the Great

Icon of Saint Basil (by Unknown Artist, Public Domain)
Ícone de São Basílio
Unknown Artist (Public Domain)

São Basílio (c. 330 - c. 379 d.C.), também conhecido como Basílio o Grande e Basílio de Cesaréia, foi um bispo de Cesaréia na Ásia Menor central que defendeu firmemente a igreja contra a heresia do arianismo do século IV. Os escritos de Basílio sobre monaquismo e questões teológicas seriam extremamente influentes durante sua vida e nos séculos posteriores, à medida que a Igreja Cristã se desenvolveu no Oriente. O santo, considerado um dos fundadores da Igreja Ortodoxa Grega, também se destacou por seu trabalho em prol dos pobres e por seus sermões que abordavam os desequilíbrios da sociedade.

Vida Pregressa

Basil nasceu c. 330 d.C. em uma família aristocrática que tinha uma grande propriedade em Ibora, na fronteira do Pôntico com a Capadócia. Ele recebeu uma educação completa em Nicomédia na Bitínia, noroeste da Ásia Menor, possivelmente sob a tutela do famoso retórico de Antioquia, Libânio (falecido em c. 393) que era, curiosamente, um ferrenho defensor do paganismo. Como era relativamente comum para a educação de um jovem aristocrata na época, Basílio também foi enviado para Atenas e Constantinopla. Foi em Atenas que Basílio começou a considerar uma carreira na igreja, mas ao voltar para casa, ele começou sua vida profissional como professor. Então, por volta de 350, Basílio passou algum tempo em mosteiros na Síria e no Egito para aprender mais sobre os ascetas de lá. Ele escreveu sobre sua experiência em cartas e ficou impressionado com o que viu, como este trecho revela:

Remover publicidades

Advertisement

Fiquei surpreso com o modo de vida dos ascetas. Fiquei maravilhado com sua disposição de sofrer, como eram fervorosos na oração, como eram poupadores no sono, de forma alguma admitindo as necessidades do corpo, sempre mantendo o propósito mais elevado e preservando a meta da alma, na fome e na sede, no frio e nudez, sem se preocupar com o corpo, nem mesmo dando-lhe o menor cuidado, mas vivendo como se não tivessem parte com as coisas da carne, eles mostraram por atos o que significa peregrinar aqui embaixo, mas ter cidadania no céu. (Frazee, 22)

Voltando para casa, mais uma vez, Basílio começou a desenvolver sua própria visão da vida ascética, inspirado principalmente pelo armênio Eustátio de Sebaste (b. C. 300), e estabeleceu seu próprio mosteiro perto de Cesaréia.

Ortodoxia v. Arianismo

Basílio é considerado um dos três grandes “Padres Capadócios” do século IV na Igreja Oriental, junto com seu irmão Gregório de Nissa, um filósofo notável, e Gregório de Nazianzos, um bispo de Constantinopla que se juntou a Basílio em suas primeiras experiências ascéticas . Todos os três se levantaram contra o arianismo e, particularmente, seu principal proponente, Eunomios. Considerado uma heresia, o arianismo foi uma ideia desenvolvida por Ário, um presbítero de Alexandria, que postulava que, uma vez que Jesus Cristo foi criado do nada, ele não poderia ser igual a Deus. As opiniões de Ário foram condenadas por seu próprio bispo, mas a heresia se tornou um movimento poderoso apoiado e promovido ativamente por vários imperadores. Basílio e os dois Gregórios se viam como defensores da ortodoxia.

Remover publicidades

Advertisement

BASIL ESCREVEU SEU CONTRA EUNOMIUM QUE DANIFICOU A REPUTAÇÃO DE EUNOMIUS.

Em última análise, o arianismo foi condenado no Primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia em 325, e a doutrina da igreja foi esclarecida para que Jesus Cristo e Deus fossem considerados homoousios ou “da mesma substância”. Ário foi rejeitado como herege, no entanto, a questão não foi resolvida, especialmente quando Constantino I (r. 306-337) chamou Ário em 328. Para confundir ainda mais a questão, o imperador foi batizado por um bispo ariano em seu leito de morte, e seu filho e sucessor Constâncio II (r. 337-361) também apoiava o arianismo. Toda a questão foi discutida novamente, mas sem resolução no Conselho de Serdica c. 343. O próximo imperador, Juliano (361-363), impulsionou a causa ariana ao trazer de volta Eunômios do exílio pela segunda vez. O imperador Valente (r. 364-378) continuou o apoio imperial à heresia e perseguiu ativamente aqueles que mantiveram a Ortodoxia.

Basílio era um oponente persistente do arianismo e, para esse fim, participou do Concílio de Constantinopla em 360 e escreveu seu Contra Eunomium, que efetivamente danificou a reputação de Eunomius. Basílio foi nomeado bispo de Cesaréia na Capadócia em c. 370, embora a nomeação de alguma forma tenha causado uma ruptura nas relações com seu irmão Gregory. Além da teologia, Basílio era conhecido nessa época por seu apoio a instituições de caridade, seu próprio hospício extremamente popular e pelos sermões que pregava com a então radical mensagem de justiça social. Outras causas não religiosas pelas quais Basil era apaixonado foi sua oposição à divisão da Capadócia em duas províncias.

Remover publicidades

Advertisement

Basílio continuou a trabalhar para defender a Ortodoxia, embora sua célebre oposição a Valente de 364 talvez não fosse tão inequívoca como alguns historiadores posteriores retratam. O bispo era conhecido, por exemplo, por ter concordado em iniciar missões diplomáticas na Armênia a pedido do imperador. Valente também apoiou o trabalho de caridade de Basílio, e parece claro que Basílio não era tão radical quanto alguns outros na luta contra a heresia, mas, ao contrário, ele adotou uma abordagem mais conciliatória que buscou curar a cisão na igreja. Além disso, algumas das cartas privadas de Basílio aludem a críticas por não ser totalmente ortodoxo de diferentes setores, e o bispo era conhecido como um grande admirador de Platão. Tampouco rejeitou completamente algumas das idéias do paganismo, conforme mostrado em seu tratado Para os jovens, sobre como eles poderiam obter lucro da literatura pagã. Ainda assim, a luta contra o arianismo continuou, e a causa foi fortemente impulsionada quando a maré imperial mudou com um novo imperador, Teodósio I (r. 379-395), que, ao contrário de seus predecessores, era um ferrenho defensor da Ortodoxia. Teodósios exilou Eunômios, fez com que a Ortodoxia fosse afirmada em um decreto de 380 EC e então condenou o Arianismo mais uma vez no Concílio de Constantinopla de 381.

St. Catherine's Monastery, Sinai
Mosteiro de Santa Catarina, Sinai
Marc!D (CC BY-NC-ND)

Influência no Monasticismo

Um escritor de muitas obras teológicas, Basílio ajudou a desenvolver o conceito da Trindade na doutrina da igreja, categoricamente afirmou que tirar a vida humana em qualquer circunstância era um pecado, e propôs que orações a ícones eram permitidas enquanto eram transmitidas a a figura retratada neles. Ele criou um regime influente para os monges que equilibrava o trabalho e o culto, a regra de Basilian, que definiria grandemente o monaquismo bizantino nos séculos seguintes. As diretrizes de Basílio para monges e monjas e os pensamentos em geral para a comunidade cristã mais ampla foram apresentados em suas Regras Longas e Curtas. Basílio promoveu o monaquismo cenobítico, isto é, os monges não deveriam simplesmente ser enclausurados, mas participar ativamente da vida da comunidade, ajudando os necessitados e difundindo a palavra de Deus. Isso é claramente afirmado na regra 3 de Basílio:

Quem não sabe que o homem é um animal pacífico e sociável, e não solitário e selvagem? Pois nada é tão característico de nossa natureza do que nos associarmos, precisarmos uns dos outros e amarmos nossa própria espécie? (Frazee, 28)

Basílio também enfatizou que os mosteiros deveriam assegurar que seus monges trabalhassem juntos para objetivos comuns e que o mosteiro alcançasse a auto-suficiência econômica trabalhando em sua própria terra. Dizem que Bento de Núrsia, o famoso asceta, se inspirou nos escritos de Basílio sobre esses tópicos e o monaquismo bizantino, em geral, tem uma grande dívida para com Basílio. Além de suas obras teológicas, muitas das cartas que Basílio escreveu a amigos e funcionários sobreviveram e são uma visão inestimável da história geral do período e, especialmente, da vida provincial.

Remover publicidades

Advertisement

Morte

Infelizmente, Basílio não viveu para ver o triunfo final da Ortodoxia, a data tradicional de sua morte sendo realizada em 1º de janeiro de 379. No entanto, alguns estudiosos preferem uma data anterior em 377. Feito santo pelas obras de sua vida, Basílio continua sendo uma figura complexa e um tanto controversa, com estudiosos da igreja continuando a insistir em sua ortodoxia sincera, enquanto estudiosos seculares tendem a ser mais céticos. A influência de São Basílio no monaquismo, entretanto, permanece indiscutível, e ele ainda permanece como uma das figuras mais importantes do cristianismo medieval e da Igreja Ortodoxa Oriental.

Bibliografia

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o tradutor

Rafael de Quadros
Rafael is a Historian, Writer, Speaker, Columnist, Editor and Reviewer of Revista História Medieval, he also manages two portals of History in Brazil.

Sobre o autor

Mark Cartwright
Mark é um historiador que vive na Itália. Seus interesses incluem cerâmica, arquitetura, mitologia e a descoberta das ideias que todas as civilizações partilham entre si. Tem Mestrado em Filosofia Política e é o Diretor de Publicação na Enciclopédia da História Mundial.

Cite este trabalho

Estilo APA

Cartwright, M. (2018, Abril 12). Basílio o Grande [Basil the Great]. (R. d. Quadros, Tradutor). World History Encyclopedia. Recuperado de https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-16934/basilio-o-grande/

Estilo Chicago

Cartwright, Mark. "Basílio o Grande." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. Última modificação Abril 12, 2018. https://www.worldhistory.org/trans/pt/1-16934/basilio-o-grande/.

Estilo MLA

Cartwright, Mark. "Basílio o Grande." Traduzido por Rafael de Quadros. World History Encyclopedia. World History Encyclopedia, 12 Abr 2018. Web. 17 Out 2021.